“Ainda não sei em qual função, mas certamente estarei lá”, diz Shakira sobre Copa do Mundo no Brasil

Shakira concedeu uma entrevista coletiva à FIFA, que o Shakira Brasil traz para você traduzida. Confira!

Se uma enquete com os nomes mais famosos do mundo fosse feita, há pouca dúvida de que Shakira apareceria bem no alto. Um fenômeno pop genuíno capaz de cantar em inglês e em espanhol, ela conhece o sucesso em todos os continentes e tem um público que é contado aos milhões.

Além disso, a artista agora se tronou intrinsecamente relacionada ao futebol. Além de se apresentar nas copas do Mundo de 2006 e 2011, ela tem se envolvido em diversos projetos sociais relacionados com o futebol e seu namorado atual é o cabeça-de-área da Espanha e do Barcelona Gerard Pique. Falando sobre estes assuntos e mais, Shakira deu uma entrevista exclusiva ao FIFA.com.

FIFA.com: Shakira, como você começou a se envolver com o futebol?
Shakira:
Em 2006 fui convidada para cantar na Copa do Mundo na Alemanha, e em 2010 fui sortuda o bastante para ser convidada novamente. Lá eu vivi um dos momentos mais inesquecíveis da minha vida: A Copa do Mundo na África do Sul me deu muita coisa tanto no campo pessoal como profissional. Foi assim que comecei a me envolver com futebol depois de perceber, através das Copas, a importância e o impacto que este esporte tem nas vidas de bilhões de pessoas todos os dias, nos sonhos de jovens que devotam tantas horas de suas vidas a praticar o esporte e a paixão que ele gera em tantas pessoas ao redor de todo o planeta.

O que teve o maior impacto em você durante este período?
O nível de compartilhamento cultural que acontece em eventos como a Copa do Mundo, onde as pessoas compartilham, se aproximam e se tornam mais unidas. Tudo isso é um fenômeno social que realmente me interessa, ao mesmo tempo em que também fui surpreendida positivamente pelo trabalho social executado pela FIFA através da 1GOAL, da qual pude participar. Como resultado, todos estes fatores colaboraram para tornar a experiência ainda mais interessante para mim, porque trabalhando na base, pudemos promover a educação, que é um dos meus maiores interesses. E agora, claro, futebol é um assunto central para mim em casa (risos). Tenho a impressão de que o futebol me segue aonde quer que eu vá e que não posso fugir!

O futebol é muito popular na Colômbia. Sua família uma fã do esporte?
Meu pai nunca foi muito ligado, mas é claro que agora que sua filha está saindo com um jogador ele ficou muito mais interessado – acho que ele até aprendeu a regra do escanteio! O fato é que meu pai sempre foi muito mais ligado a livros, ele se interessava mais por assuntos intelectuais, mas ninguém escapa da paixão que o futebol causa. Há muita gente que não se interessava antes e que acabou sendo contagiado.

Como você mesma, por exemplo…

O que acontece é que uma vez que você começa a entender o futebol, você percebe que não é apenas o lado físico de correr atrás de uma bola. É um esporte estratégico que exige muita inteligência. É um jogo muito mental.

Você consegue assistir uma partida inteira?

Sim, claro!

Mesmo quando Piqué não está envolvido?

Hmm (risos)… sim, sim. Já assisti outros jogos para tentar entender mais e porque sou muito curiosa. E também para ver como os outros times estão, mas sempre assisto aos jogos em que ele joga.

Namorar um jogador pode ser difícil, levando em consideração todo o treino, partidas e viagens envolvidos?
Também não deve ser fácil namorar uma cantora! (risos) A verdade é que eu entendo que esta é uma profissão muito difícil que exige dedicação, compromisso, disciplina e trabalho de equipe, o que é muito diferente do que eu faço. Eu não preciso responder a ninguém além de a mim mesma, mas um jogador é como um soldado que leva uma grande responsabilidade seja dentro ou fora do campo. Cabe a mim entender isso e apoiar Gerard sempre que ele precisa.

Já tentou jogar?
Sou melhor cantando músicas que animem os fãs. O Gerard tentou me passar a bola algumas vezes, mas não posso dizer que sei alguma coisa!

Você já participou de duas Copas do Mundo e a próxima é no Brasil. Está animada com a possibilidade de estar na competição na América do Sul?
Claro! O Brasil é um país que amo muito. Tenho fãs lá com quem tenho interagido há anos, assim como colegas de profissão como Ivete Sangalo, e também tem figuras como o Pelé. Adoraria estar nesta Copa, ainda não sei em qual função, mas certamente estarei lá. Sei que ninguém quer perder isso, muito menos eu.

Finalmente, você pode nos falar um pouco sobre seus projetos sociais relacionados com o futebol?

Estou convencida de que promover o esporte é uma maneira inteligente de educar nossas crianças. Na verdade, através da do FC Barcelona e minha própria fundação Pies Descalzos criamos programas voltados a colocar mais esporte nas escolas, algumas das quais nós construímos em áreas muito vulneráveis nas quais crianças vivem em condições de extrema pobreza.  Além disso, com a FIFA nós promovemos a campanha One Goal e com as vendas do single de Waka Waka levantamos fundos para o projeto  Centres [for 2010] como parte desta iniciativa. Gosto de participar de eventos de futebol que são voltados para causas sociais porque, no meu ponto de vista, inspirar as crianças através do esporte é um modo de manter seus corpos e mentes saudáveis, assim como estimular sua inteligência e habilidade de se relacionar com os outros.

Fonte: FIFA.com

Tradução livre feita por Josimar Rosa para Shakira Brasil