Confira a Entrevista do Pai de Shakira no Lançamento de Seu Livro, ‘Al Viento y Al Azar’

Como informamos, aconteceu na noite de ontem em Barcelona o lançamento do livro ‘Al Viento y Al Azar’, obra de William Mebarak, pai de Shakira (Saiba todos os detalhes aqui).

Antes da chegada da filha, ele fez uma breve entrevista com seu editor, e contou algumas curiosidades bastante inusitadas sobre a filha, a origem da família Mebarak, e até mesmo sobre o que ele espera do netinho que nasce em breve.

Confira:

Editor: O que a Shakira herdou de você?

W.M: Meu impulso criativo: desde pequena ela me via trabalhando na máquina de escrever, criando vários artigos, poemas, contos…

Editor: E isso pegou fácil nela?

W.M: Sim, ela era muito precoce, já lia de tudo para mim. Aos quatro anos elaescreveu seu primeiro poema, ‘La Rosa de Cristal’. Aos nove ela já tinha cerca de 19 canções escritas, e foi assim que ela começou, cantando-as em Barranquilla.

Editor: Qual era o estilo?

W.M: Baladas. Ela sempre cantava três baladas e uma canção árabe.

Editor: O que a Shakira herdou da mãe?

W.M: Sua agilidade mental e sua disciplina. Shakira trazia as notas do colégio e Nídia sempre dizia: “Você pode melhorar essas notas da próxima vez, filha! Se esforce!”, e assim a estimulava.

Editor: Sua esposa é de ascendência catalã?

W.M: Seu bisavô Ripoll imigrou da Cataluña para a Colombia. Mas não sabemos mais detalhes.

Editor: Como você conheceu sua esposa?

W.M: Há 38 anos, ela trabalhava na empresa de um amigo. Um dia vi o vento levantando sua saia e mostrando suas pernas, e me apaixonei. Na hora pensei “Acabou o seu sossego, William“, porque até então eu era um homem casado. Quando consolidamos nossa relação, nasceu nossa filha Shakira.

Editor: O que significa Shakira?

W.M: De acordo com a pronuncia, significa “cheia de graça” em árabe, e “deusa de luz” no hindú. O nome foi escolha de Nídia, quando ela o viu em uma revista: Acredito que assim se chamava a mulher de Michael Caine (premiado ator britânico).

Editor: E de onde puxou Shakira o que cantar?

W.M: Eu sempre cantei, de tudo. Na minha família sempre gostamos da música. Minha mãe tocava piano, meu pai a flauta…

Editor: Você quis ser cantor?

W.M: Não, mas quase me tornei padre.

Editor: O que o influenciou nisso?

W.M: Eu estudei no colégio Hermanos de la Salle. (colégio católico)

Editor: E o que aconteceu?

W.M: Quando contei ao meu pai, ele se assustou! Ele não tinha irmãos homens, e eu só tinha um, que era pequenino. Por isso meu pai teve medo que nosso sobrenome Mebarak se perdesse quando eu completasse o sacerdócio.

Editor: Ele era libanês?

W.M: Sim, meu pai nasceu na Colômbia, porém era filho de imigrantes libaneses, assim como a minha mãe. Como seu outro filho morreu ainda bebê, ele me criou meio que “superprotegido”.

Editor: E o que ele fez?

W.M: Me trocou de colégio, e comecei a conhecer várias garotas (risos)… E isso acabou com a minha vocação! Desde então eu quis ser escritor e médico, mas tive uma juventude muito louca, na verdade.

Editor: Louca?

W.M: Motos, carros, futebol, farras, mulheres… Me envergonha dizer que fui instável.

Editor: E quando centralizou sua cabeça?

W.M: Quando meu primeiro filho nasceu, William. Senti uma transformação interior. Então pude dizer ao meu pai “Aqui está o seu herdeiro”. Desde então me estabilizei e comecei a trabalhar no rádio, na imprensa…

Editor: Nascido o primeiro, você teve mais filhos…

W.M: Sim, depois de William, tive mais 7 filhos com minha primeira esposa. Por uma fatalidade, o mais velho morreu em um acidente de automóvel. Já faz muito tempo, porém ainda choro quando me lembro dele… Hoje teria 52 anos.

Editor: Agora você será avô?

W.M: Já tive 13 netos, mas este que chega até o fim do mês tem mexido com a minha imaginação! Por isso eu e minha mulher estamos em Barcelona, encantados!

Editor: Como você gostaria que se chamasse o pequeno?

W.M: Aos meus filhos homens sempre escolhi nomes que se iniciassem com a letra W no primeiro ou no segundo nome.

Editor: Você faria o mesmo com seu neto?

W.M: Não, em todo caso teria que ser com a letra G, de Gerard, seu pai (risos)

Editor: Já está decidido o nome do bebê?

W.M: Sim, porém cabe aos pais anuncia-lo, não eu…

Editor: O que significou pra você o nascimento da sua Shakira?

W.M: Eu tinha 46 anos e transformou a minha vida! Ela começou a cantar muito cedo e aos 16 anos já era uma estrela absoluta na Colômbia com tantas músicas. Eu sempre estive ao seu lado e nós completamos um ao outro.

Editor: Que ensinamentos você gostaria de passar ao seu neto?

W.M: Que ele se fixe nos passos dos pais! Que estude e busque uma carreira que goste. É claro também, que seja um homen honrrado, correto, honesto, e que tenha em sua vida um só vício: a verdade…

 

Tradução e adaptação: Guilherme M. para Shakira Brasil.