Leia em Português o Artigo de Shakira para o The Huffington Post

shakira2
Sempre ligada a causas sociais, Shakira escreveu um artigo para o The Huffington Post falando sobre seu trabalho como filantropa, e até sobre como a maternidade tem influenciado nisso. Confira a tradução:

Elevando nossas vozes: Como podemos colaborar para ampliar a qualidade de educação

Embora meu princípio seja a ocupação de uma artista, eu tenho outra paixão que se desenvolveu lado a lado junto com minha carreira artística, e está promovendo a educação infantil. Eu cresci em uma Colômbia que foi dividida e miserável. Em Barranquilla, de onde eu venho, parecia que muitos em minha volta tinham seus destinos traçados antes mesmo de terem nascidos. Aqueles que nasciam pobres morriam pobres, e infelizmente , a mesma coisa ainda acontece hoje na Colômbia e também em várias outras partes do mundo em desenvolvimento. Mesmo na minha infância, eu sabia que vendo aquelas crianças na minha terra natal, vivendo nas ruas com pouca esperança de mudar de vida, estava errado. Não importa as circunstâncias. Está indignação tornou-se o catalisador que me inspirou a criar a minha fundação Pies Descalzos na Colômbia quando eu completei 18 anos e tinha sucesso suficiente e me fazia capaz de dar a volta no que parecia um caminho muito impactante.

Eu me juntei com a Maria Emma Mejia, Ex ministra das Relações Exteriores e da Educação, e juntas tentamos mudar esta realidade que aparentemente não tinha volta. Nos começamos na Colômbia, arrecadando fundos e conhecimento e uma abordagem prática, pessoas simples e sem poder se aproximaram em colaboração com governantes e outros filantropos de construções e desenvolvimento de escolas de qualidade, da qual estamos cuidadosamente construindo a sexta, e assistência para 6,000 crianças. Em seguida construímos centros comunitários dentro das escolas para a cidade, e cidade vizinhas, também poderiam desfrutar dos benefícios. Nós desenvolvemos um programa de alimentação, então nossos estudantes poderiam aprender com o estômago cheio, e também seus pais teriam o incentivo de manda-los para a escola em primeiro lugar.

Depois de 11 anos devotando meu tempo para a educação primária e secundária, eu me tornei uma aluna com a curiosidade crescente sobre os desafios na oferta de educação universal, tentando entender o que funciona e o que não funciona quando isto vem de crianças vulneráveis que vivem em conflitos. Fazendo isso eu entendi que o trabalho de proporcionar educação não é apenas uma caridade, mas sim um investimento humano. Eu descobri que nosso trabalho se torna mais difícil quando tentamos educar crianças que não tiveram atenção adequada, estimulação e nutrição nos primeiros anos de vida. Foi aí que decidi ampliar meus esforços e co-fundei a ALAS e me voltei para os governos em toda a América Latina em prol a educação. Particularmente a educação infantil era prioridade em nossa agendas, e ampliamos nosso alcance para o Brasil, México, Argentina e América Central. Defendemos que a educação infantil nos seus primeiros anos de vida aumentam suas chances de sucesso mais tarde na vida, e eventualmente faz dessas sociedades mais competitivas na esfera global.

Mas recentemente eu tenho sido introduzida e inspirada pelo filantrocapitalismo, a prática de aplicar os métodos de negócio para a filantropia e convidando o setor privado para agir onde os governos deixam de fora, porque educação é um investimento e também uma obrigação, e parte integrante de uma estratégia que desempenha um papel vital em descobrir como gastar cada centavo e fazer valer cada esforço. Essa abordagem é, na minha opinião, talvez o único método para solucionar um dos problemas mais difundidos do mundo moderno. A teoria do filantrocapitalismo tem me ensinado que não só resolver o problema social da educação produz uma oferta de trabalhadores qualificados para décadas à frente, mas também cria consumidores valiosos e mais experientes. O que parece à primeira vista ser a caridade na verdade é apenas um bom negócio quando você começar a colocar em prática–porque vários estudantes acadêmicos têm mostrado que investir em educação é o investimento mais sólido que você pode fazer. Para cada dólar investido na educação básica de uma criança, 17 dólares retornam para o estado. Isso é um retorno incrivelmente saudável de investimento se você me perguntasse. Alguns dos maiores líderes dos negócios inovadores assim como Bill Gates já sabem disso, Ele fez a melhoria do sistema de escola do país o principal foco de sua fundação. Uma revolução, por definição, é uma mudança fundamental na maneira de pensar sobre algo, uma mudança no paradigma. Empresários como Gates, e meus queridos amigos e parceiros Howard Buffett e Alejandro Santo Domingo, reconheceram que a obtenção do setor privado envolvidos na educação pode ter um impacto direto na capacidade econômica de um país no mundo e suas contribuições tem sido vital em minha opinião para ambos nossos esforços coletivos sobre o tema e na obtenção de apoio financeiro concreto para isso.

Hoje, 18 anos depois de ter começado, com meus 36 anos e como uma nova mãe, eu posso ver meu trabalho através dos anos fechando o circulo como eu vejo meu próprio filho desenvolver. Eu estou achando que a maternidade é um mundo de descoberta, e eu me encontro em uma constante admiração vendo Milan absorver o mundo ao seu redor a um ritmo surpreendente. Os primeiros 5 anos de vida é quando o cérebro cresce em um ritmo que não tem paralelo em qualquer fase posterior da vida. De fato, 85% da estrutura do núcleo do cérebro de uma criança é desenvolvido aos quatro anos de idade. Então porque não dar-lhes a melhor possibilidade de luta possível desde o primeiro dia?

Quando eu olho para ele eu vejo possibilidades ilimitadas. Eu sinto que penso o que todos pais pensam, e esperam para o futuro de seus filhos, independentemente de sua própria formação; uma determinação para ter certeza que o futuro deles será mais brilhante que o nosso foi e que nossos sonhos de amanha excedam o que é hoje ainda capazes de imaginar. Ou seja, meu trabalho, nosso trabalho, está longe de acabar.

Minha carreira como cantora me deu o maior presente de todos – minha voz. Isto é um dom que me permite expressar como uma artista mas também é aquela que me oferece uma plataforma para os holofotes sobre questões infinitamente mais importante do que a minha própria carreira – questões como a necessidade de acesso universal à educação de qualidade para os quase 60 milhões de crianças que não tem, e outros milhões que estão longe de receber os benefícios dos programas de desenvolvimento da primeira infância.
Minha esperança é que aqueles que lerem isso, sejam encorajadas para encontrar suas próprias maneiras para contribuir no desenvolvimento do futuro de nossas crianças através da educação. Mesmo que isso signifique ajudar a espalhar a palavra aos pais sobre os recursos disponíveis para eles, aplaudindo nossos líderes mundiais para os avanços que estão fazendo na educação, mantendo-os responsáveis pelo progresso contínuo, ou sendo um dos líderes empresariais que vêem o investimento na educação como uma inovação e não simplesmente uma caridade.

Eu explorei muitas abordagens ao longo dos anos, tanto através das minhas fundações e com a orientação e apoio de alguns grandes filantropos, empresários, economistas, líderes políticos e ativistas,e com cada novo empreendimento, Eu sinto que nós estamos muito mais perto de sensibilização sobre as medidas necessárias a tomar para a erradicação da pobreza e da desigualdade. Eu realmente acredito que abordar o problema através de esforços agravado pelo setor público e privado, e ao nível da comunidade com campanhas populares e cidadãos ativistas , vai nos levar perto assim de nos tornarmos uma sociedade na qual a desigualdade na educação é apenas outro capítulo dos livros de história que serão lidos a meu filho logo.

Tradução e adaptação: Elielson Rodrigo para Shakira Brasil.