William Mebarak entrevista a filha Shakira para jornal colombiano

A pedido do jornal colombiano El Heraldo, William Mebarak, pai de Shakira, entrevistou a filha em um diálogo íntimo que revela o lado mais sensível da artista colombiana.

Pai e filha esqueceram a fama, o assédio dos flashes na rua e a distancia, para ter uma conversa íntima para relembrar os momentos de sucesso da infância da cantora e a ânsia em transmitir os ensinamentos aprendidos da época para seus filhos, Milan e Sasha. Um diálogo próximo, sincero e transparente dedicado a comemoração do dia dos país (que na Colômbia foi comemorado ontem 19 de Junho).

Leia esta bela conversa entre pai e filha traduzida especialmente para você pelo Shakira Brasil:

Willliam: Desde pequena sua grande paixão foi a música… hoje em dia, haveria alguma razão para você deixá-la?

Shakira:  Não, pelo contrário, agora tenho mais razões para me apegar a ela. Adoro pensar que seus netos, meus filhos, possam me ver no palco e entender isto que me impulsionou como um motor por toda minha vida. Que entendam o que é ter uma vocação e segui-la e aprendam que tudo na vida deve ser conseguido com esforço, determinação e disciplina porque trabalhar com a música me exigiu de tudo e um pouco mais.

William: Qual a melhor recordação que você tem como filha?

Shakira: Talvez a oportunidade de que sempre tive de dialogar com vocês, a proximidade com minha mãe, a relação aberta e transparente que tive contigo, com os dois e que veio acompanhada de sorrisos; jantares em família em que quase sempre houve uma conversa amena e produtiva, onde se aprendida e se compartilhava minha vida como filha. É talvez isso que mais ficou latente em minha memória e em minhas recordações da infância. Claro que houveram momentos difíceis como em toda família, mas principalmente o amor que me deram é o que me construiu e suportou.

William: Quando você olha nos olhos de Milan e Sasha, o que você descobre neles?

Shakira: Este olhar penetrante nos olhos negros de Milan me lembra que há tanto de mim nele. Os olhos de Sasha, em troca, são como o rio Magdalena, um pouco mais cinza e marrom fundidos com uma linha esverdeada, porém mais além desta cor similar a de águas agitadas, são uns olhinhos cheios de perguntas e amor. Ambos ainda estão descobrindo não só o mundo que os rodeia, mas também a sua mãe. Suponho que ainda querem saber de mim. Quem sou, porque os trouxe ao mundo, e o que estou disposta a ensiná-los.

William: Que costumes você levou da Colômbia e agora compartilha com meus netos?

Shakira: A música, a comida, as guloseimas colombianas que a vovó Nidia sempre trazem. As palavras as expressões. Há pouco tempo Milan me perguntava o que era “parar bolas” (gíria colombiana que significa “prestar atenção”), expliquei a ele como pude. É gracioso ver um menino vivendo na Catalunha dizer: “¡qué chévere, mamá!” (gíria colombiana que significa “que legal mamãe”). Mas estou convencida de que Milan se sente muito colombiano. Sempre insisto muito para que ele reconheça esta parte de sua identidade. Conto a ele sobre meu país, e nos jogos da Colômbia ele sempre põe a camiseta e torce para que ganhemos. Quando estive a pouco visitando Barranquilla, cada dia quando nos falávamos pelo telefone ele me perguntava quando ia a Barranquilla e a Bogotá. São tantas as anedotas que euo conto antes de dormir,histórias de minha infância, de como era meu colégio, meu bairro, meus pais, minha vida, que praticamente se tornou uma compulsão para ele este sentimento de colombianidade.

William Shakira Nidia

Shakira com os pais, William Mebarak e Nidia Ripoll, durante a entrega da estrela da artista na Calçada da Fama de Hollywood em 2011.

William: Que ensinamentos você resgata de nós como pais que possa dar continuidade com Milan e Sasha?

Shakira:  Tantos! De minha mãe aprendi que a querer estimular seus talentos e aptidões, ensiná-los tudo o que posso assim como ela fez comigo. O ser responsável, o sentido do dever, pensar nas necessidades dos outros e ajudar quando temos a possibilidade. De você o amor pelos livros, o saber e as idéias. Especialmente tento manifestar entre Milan e Sasha a harmonia que você semeou entre meus irmãos. Descobri graças ao seu exemplo que o truque não está em ficar com raiva e sim em saber se reconciliar e pronto! Assim como você conseguiu com seus filhos, espero que os meus jamais vão dormir brigados, que não existam rancores, nem resentimentos entre eles e que sempre possam contar um com o outro; esse é um dos meus sonhos neste momento. Afinal, não há nada mais importante no mundo que a família.

William: Nós, como pais, sempre te acompanhamos nos momentos mais importantes da sua vida, mas hoje a distância tem sido difícil para que estejamos fisicamente a seu lado. Para assumir  suas decisões, o que você tem de si mesma e do legado que deixamos?

Shakira: Seu senso e a intuição da minha mãe. Se sobrevivi ao mundo do entretenimento e esta indústria implacável é talvez por ter herdado seu olfato.

William:  Enfrentamos momentos difíceis,  outros prazerosos; nos fecharam portas e outras nos abriram… Em algum momento, em seu interior, você pensou em desistir de seu sonho em conseguir ser uma artista de sucesso?

Shakira: Nunca foi uma opção. Só tive sombra de alguma dúvida o dia antes de assinar meu contrato com a CBS, horas antes de que mudasse minha vida para sempre. Lembra que conversa com aquele cantor local que perdeu uma colherzinha? Ele me desenhou a indústria tão negra, tão impossível, que em meus 13 anos quase não consegui dormir na noite anterior. Ele tinha razão, nada seria cor de rosa, e não foi, mas sim valeu a pena!

William:  Como pais, ao longo da vida o que deixamos em seu coração e que faria falta se não deixássemos?

Shakira: Me deram um coração que pode amar e perdoar em um mondo em que ambas coisas são difíceis.

Fonte: El Heraldo
Tradução: Shakira Brasil