Shakira concede entrevista ao jornal colombiano “El Tiempo”

Um dos maiores jornais da Colômbia, o “El Tiempo“, divulgou uma entrevista feita recentemente com Shakira, onde a cantora fala sobre a mudança em sua vida após a maternidade e vários outros assuntos. Confira a matéria completa traduzida para o português:

A decisão, confessa, foi automática. Sem revisar contratos e pensar mais de dois minutos: em meados de novembro, Shakira cancelou tudo o que tinha em sua agenda. A cantora era esperada em Las Vegas para a entrega anual do Grammy Latino, onde apresentaria “La Bicicleta” – dueto com Carlos Vives – que recebeu dois dos prêmios mais importantes: Gravação do Ano e Canção do Ano. Ela era esperada também em Los Angeles, onde iria se apresentar com Vives na entrega dos American Music Awards. Também a esperavam em Buenos Aires e no Chile, onde ela iria lançar seu novo perfume, ‘Dance‘. Mas a cantora decidiu ficar esse mês em Barcelona, ​​onde mora com jogador de futebol Gerard Piqué e os filhos Milan e Sasha.

Em suas redes sociais e comunicados de imprensa falou sobre “razões de força maior”. Ela foi vista entrar e sair constantemente da clínica Teknon e ​​por isso começaram a circular boatos de que Milan, seu filho mais velho, estava doente. Então, algumas fotos da criança com o pai em um estádio serviram para acabar com essa versão. Mas na verdade quem foi hospitalizado por uma infecção cujas características não foram reveladas era Sasha.

“Não foi difícil decidir ficar em Barcelona”, diz a barranquillera. “O que importava no momento era que ele se recuperasse cem por cento, e isso foi o que aconteceu, graças a Deus. Mas enquanto ele estava doente eu não conseguia pensar em nada ou fazer outra coisa senão estar com ele”.

Shakira (Shakira Isabel Mebarak Ripoll), a mulher que tem uma geração inteira cantando seu novo single, “Chantaje“, que canta junto com Maluma, fala sobre ser mãe e o que isso significa para sua vida e trabalho, mesmo antes de ser perguntada.

Pouco depois da recuperação de seu filho, Shakira deu amostras de suas novas prioridades quando chegou um pouco atrasada para a premiação Los 40 Music Awards, em Barcelona, ​​onde ela recebeu o Golden Award em reconhecimento a sua trajetória. “Desculpe, pessoal, mas com crianças pequenas já sabe; Foi impossível para mim chegar antes“, disse ela no tapete vermelho.

Sua sinceridade, surpreendeu até os jornalistas. “Isso mostra o status de uma estrela internacional perante a soberba de outros, que já se acham pouco menos que Sinatra com apenas um disco no mercado“, disse La Vanguardia.

Nessa ocasião, Shakira dedicou o prêmio a seus pais e disse:

“Quero compartilhar este momento com as pessoas mais importantes na minha vida, são meus filhos, Sasha e Milan, que estão aqui, e Gerard, porque com vocês tudo é mais feliz”.

Com 1,57 m de altura, seu cabelo loiro tingido, penteado para o lado, pouca maquiagem preta, como está hoje, já longe dos flashes e das câmeras, inevitavelmente, acaba falando sobre a maternidade. Para esta mulher, que de acordo com a ‘Forbes‘ é uma das cantoras que mais ganham dinheiro e uma das mulheres mais influentes do mundo, ser mãe é seu assunto recorrente. Ela acaba falando sobre isso mesmo que ninguém a pergunte, por exemplo, desde o seu início como cantora, e até agora que está a poucos dias de completar 40 anos (2 de fevereiro). Ela responde calma, tranquila, consagrada.

El Tiempo: Quanto resta desta Shakira que em 1993, com apenas 16 anos, representou a Colômbia no Festival Viña del Mar?

Shakira: Passou muito tempo e muitas coisas mudaram, provavelmente porque eu mudei também, e não só o meu cabelo preto. Mas muitas coisas estão bem preservadas. Mas dentro de mim é a mesma garota sonhadora e sofredora.

El Tiempo: Sofredora?

Shakira: Bem, eu sou sofredora porque me fizeram assim. Assim saí da fábrica. Na minha ânsia de fazer as coisas sempre bem, acabo sofrendo. E agora que eu sou mãe, eu não posso dizer que sou uma mãe relaxada. O surpreendente é que agora, no meu trabalho, eu encontrei um lado meu, mais sereno. Os filhos fazem você reorganizar suas prioridades: o primeiro é o bem estar deles, e tudo o mais é secundário, até mesmo a boa música.

Mas ao mesmo tempo esta atitude só está me ajudando a criar uma música que me agrada, que me deixa feliz, isso me faz sentir bem.

El Tiempo: Você sente que seu papel de mãe te distanciou da música?

Shakira: Eu não gosto da palavra distância. Hoje me sinto com mais liberdade do que nunca para fazer o que quiser no estúdio e um resultado que eu goste, acima de todas as coisas.

El Tiempo: Você relaciona isso com o fato de ser mãe? Ou também influenciam seus anos no palco?

Shakira: Pode ser um pouco de tudo, não? Mas esta parte de ser mãe é uma revolução espiritual, mental, intelectual e até mesmo física que faz você reorganizar suas prioridades. Então, quando você abaixa a pressão para algumas coisas e sobe para outras, matematicamente você tem uma equação diferente. E hoje eu coloco mais pressão sobre isso de ser uma mãe. Estou mais preocupada em ser boa como uma mãe e com menos pressão em ser boa como artista. E talvez, o trabalho saia melhor quando você tem menos pressão.

El Tiempo: Qual tem sido a sua parte favorita da maternidade?

Shakira: O que mais me agradou em ser mãe é vê-los crescer, se tornarem pessoas. É um prazer acompanhá-los no seu aprendizado deste mundo.

El Tiempo: O que você gostaria de deixar para eles como legado?

Shakira: A ideia de que podemos transformar o mundo, ajudar a torná-lo melhor. Nesse sentido, cada pessoa conta. Nós todos temos essa capacidade transformadora, essa capacidade de melhorar o mundo em que vivemos. Se eles estão conscientes disso, vão poder fazer sua contribuição. Eu não quero que eles passem pela vida indiferentes aos problemas dos outros. Quero que sejam compassivos, que sejam boas pessoas acima de todas as coisas.

El Tiempo: Falando sobre a infância de seus filhos o seu rosto se ilumina. A sua foi assim tão emocionante também?

Shakira: Minha família passou uma crise econômica e financeira da qual não se podia recuperar durante anos, até que eu pude começar a fazer meu próprio dinheiro. Mas quando isso estava acontecendo, meus pais quiseram me mostrar a realidade de outras crianças que estavam vivendo situações da vida muito mais difíceis. Eles me levaram para um parque em Barranquilla, onde muitas crianças inalavam cola.

Eram crianças deixadas à sua própria sorte, abandonadas pelo Estado e pela sociedade. Eu tinha cerca de 7 ou 8 anos e isso me arrasou por dentro. Me deixou marcada a tal ponto que eu nunca mais deixei de pensar nisso. Por isso adquiri, inconsciente e automaticamente, um compromisso que não me pode escapar e ainda é parte da minha vida hoje (se refere à Fundación Pies Descalzos, criada quando ela tinha 18 anos, em 1996, logo após o lançamento de ‘Pies Descalzos’, seu primeiro álbum de impacto internacional. Isto a levou a ser nomeada embaixadora da boa vontade da Unicef ​​e reconhecida como um filantropa).

El Tiempo: Além de ver a realidade dessas crianças, o que mais te motivou a criar a sua fundação?

Shakira: Eu cresci na Colômbia, um país onde havia muita injustiça social, desigualdade, vendo as crianças que não tinham acesso à proteção dos seus direitos básicos. Eu queria fazer algo a respeito, assim que tive a oportunidade decidi criar uma fundação para a infância. Não é fácil trabalhar com crianças vítimas de violência, extremamente pobres. Mas eles têm respondido bem. São crianças que agora estão caminhando para a faculdade, muitos deles, e seu destino seria outro se intervíssemos. Um terrível destino, associadas a gangues, grupos paramilitares ou guerrilheiros, e hoje estão longe dessa realidade. Eles estão a caminho de ser bons cidadãos.

El Tiempo: Alguns dias atrás, uma de suas escolas, localizadas no setor Eduardo Santos-La Playa, em Barranquilla, foi reconhecida como a instituição de ensino que mais evoluiu na Colômbia desde 2011, em uma avaliação que incluiu escolas públicas e privadas. É um sonho realizado?

Shakira: Pra mim, isso é mais importante que um Grammy.

El Tiempo: Logo você completará 40 anos. Você está satisfeita?

Shakira: Bem, ainda está faltando alguns dias! (Risos). Sim, eu estou satisfeita em ter chegado a meus 40 tendo realizado muitíssimos dos meus sonhos. Além disso, a expectativa de vida cresceu tanto que agora aos 40 você é jovem. E eu não tenho reflexão especial sobre isso ainda. Deixa eu chegar aos 50 e avaliaremos.

El Tiempo: E como você se projeta aos 60 anos?

Shakira: Ufa! Se eu não imagino os 50, imagine 60! Como o mundo vai, e como Milan é sedutor, com certeza eu vou ter netos. E eu acho que vou continuar me dedicando a música, porque eu não sei fazer outra coisa. Especialmente agora que estou curtindo muito mais do que antes. Vou continuar enquanto o corpo e o espírito me peçam, e até que eu tenha coisas a dizer. Porque quando você não tem mais nada a dizer, é melhor eu calar a boca, certo?

Fonte: El Tiempo