Shakira revela em entrevista que levará os filhos com ela em sua nova turnê mundial

No último dia 28 de março, Shakira aproveitou o evento filantrópico no FC Barcelona para anunciar a construção de mais uma escola pela Fundação Pies Descalzos na Colômbia e concedeu algumas entrevistas (entre elas para o programa  El Gordo y La Flaca, como vimos antes).

Esta semana mais uma delas foi divulgada, desta vez para o programa Detrás de la Fama, em que conversou com a apresentadora Rashel Díaz sobre os planos de sair em turnê com os filhos, a vontade de ter mais crianças e o novo disco.

Abaixo você confere o vídeo da conversa e, logo abaixo, a transcrição:

Entrevistadora: Nos conte, seu novo álbum é uma nova produção que está muito próxima de seu coração. Porque?

Shakira: Bem porque há muitas canções pessoais, muitas canções dedicadas ao pai do meus filhos. Foi uma aventura diferente colaborar com outros artistas. Claro que tem muitas músicas solo nesse álbum, mas também tem outras que que vocês já conhecem como “Chantaje“, que fiz com Maluma, que é um grande novo talento e também colombiano, meu compatriota, Carlos Vives, com quem foi maravilhoso trabalhar. Na verdade eu tinha uma dívida comigo mesma de fazer algo com Carlos… E com Prince Royce. eu achava que sabia dançar bachata, mas agora sim sei dançar bachata.

Nestes vídeos sempre estamos acostumados com sequências de dança tão sexy, tão bonitas…

Eu tento não ser sexy, mas não consigo! (risos

E com Piqué em casa? Ele gosta?

Shakira: Ele é um apoio magnifico em minha vida e em minha carreira. Nós temos dois filhos, estamos muito sólidos como um casal, então isso não é um problema para ele. Ele entende que faz parte da minha carreira, que a dança e a sensualidade também são forma de expressar minha música, que é um veículo e ele entende. Ele me acompanha nisso.

Sempre mostro os vídeos a ele antes de todo mundo. Ele às vezes me acompanha no set, trazemos os meninos eles ficam correndo pelo set. Como qualquer família, esse é o meu trabalho. Assim como o dele é o esporte.

Esta minha nova música que é meu novo single solo, “Me Enamoré” é uma narração de como conheci o Gerard, como me apaixonei. Acredito que nossa história é bem divertida. Também passamos por muitos riscos e fomos contra todos os obstáculos que podíamos ter tido naquele momento e conseguimos formar a família que temos hoje. Todos temos uma história de amor para contar e esta é a minha.

Você lançou o single ‘La Bicicleta’ e eu adoro porque desta forma você nos mostrou Barranquilla, onde cresceu. Conte um pouco para nós disso, como foi?

Eu gostaria muito que meus filhos vivessem muitas das coisas que eu vivi na minha infância, andar descalços por aí. Há pouco tempo estive com minha família na Colômbia e Milan adorou. Sasha ainda é pequeno, mas eles gostaram muito. Os pais de Gerard também gostaram porque puderam conhecer um pouco das minhas raízes, minha família, a gente que me viu crescer e que são parte de mim.

Que lições seus pais te deram de importante que você quis passar também aos seus filhos?

Bom, minha mãe me ensinou muito sobre responsabilidade. Disciplina, também, que acredito que tenha sido uma constante na minha vida e na minha carreira. Acho que ela sempre foi uma pessoa muito emotiva, me ensinou a pensar nos outros. Quando eu ia para a escola ela me dizia ‘leva dois lápis, para o caso de alguma criança não levar’ e eu tento fazer a mesma coisa, me vejo fazendo a mesma coisa com meus filhos.

Do meu pai acho que herdei a paixão pelas letras, pela arte, pela informação, pela cultura. Gostaria que meus filhos fossem inquietos intelectualmente, quero que eles possam investigar, explorar um pouco o mundo que os rodeia.

Você diz que este amor pelas letras vem da parte do seu pai e desde muito pequena você já escrevia poesia.

O primeiro poema que escrevi foi quando eu tinha quatro anos e se chamava La Rosa de Cristal, minha mãe ainda tem o original

Você via uma carreira de cantora a sua frente? Era algo que você almejava, ou alguma vez você pensou em outra profissão?
Bom, sou uma médica frustrada (risos) e em casa passo o tempo todo diagnosticando todo mundo que posso (risos). “ah, estou com uma dor de cabeça” “o que acontece é que você teve um… (risos).. um desequilíbrio no ouvido que está te incomodando” (risos)… Mas acerto, sou muito boa diagnosticando! (risos)

Shakira, em que momento você se deu conta ‘já sou famosa!’
Realmente foi um encontro gradual, e por isso fui me acostumando pouco a pouco com seu sabor, com sua textura… (risos). Graças a deus que foi assim, porque não é nada natural que um dia você saia de casa e todo mundo esteja interessado. Ter que lidar com a perseguição midiática de uma forma repentina deve ser muito difícil, mas realmente não me lembro de outra forma de vida.

Me lembro da minha infância e a partir de um momento, de assumir minha carreira de forma profissional. Para mim não era um jogo, desde os quinze anos já tinha muito claro para mim que a vida que teria e que era o caminho que seguiria.

Para uma mulher como você, o que significa o poder feminino que vem crescendo tanto?
Bom, nós mulheres não somos não apenas o sal da vida, somos o princípio da vida e somos protagonistas absolutas na sociedade. Dizem que se você educa um filho, está educando um homem, mas se educa uma filha, está educando uma família inteira.

A próxima pergunta é exatamente sobre isso. Ao se tornar mãe, mudou a forma de tomar decisões que tem a ver com a sua profissão?

Sim, agora sou mais concreta, mais rápida, mais eficiente… Também mais pontual, porque sei que os meninos estão esperando.. Eles não me dão folga, me mantém na linha (risos). Antes eu vivia para mim, agora fico “são cinco tenho que dar comida para o Milan, são seis, tenho que levá-los para o futebol”… Chego no estúdio e digo ‘tenho quatro horas, rapazes. Temos quatro horas para terminar isso. E terminamos. E até fica melhor.

Tem sido uma grande motivação, para mim, me reconectar com meu trabalho, porque quero dividir isso com eles, quero que vivam isso comigo, que estejam em turnê comigo, e é a próxima coisa que vamos fazer. Vai ser difícil para o Gerard porque ele não pode viajar conosco. Ele está preso a sua cidade, ao trabalho, ao Barcelona FC, e para mim também, óbvio, mas vamos ver como vai ser. Esta é a primeira vez que saio em turnê com duas crianças, então me deseje sorte.

Como você se posiciona como mãe para proteger seus filhos do que é a fama e do que ela significa?

Família. Este é o principio fundamental com que que quero que meus filhos cresçam. Quero que se divirtam conosco, que frequentem uma escola normal, e que o valor fundamental em suas vidas seja não o que eles têm, mas o que eles são.

Você falava antes que Gerard chegou na sua vida em um momento em que não tinha mais esperança no amor, em que o coração estava apagado e que pensava que isso nunca ia chegar. O que significou esta chegada na sua vida?
Acho que ele tem sido meu anjo. Apareceu como um anjinho (risos)… Ele me dá não só amor. Nunca ninguém cuidou tanto de mim, nunca ninguém me desejou tanto, eu acho.

A diferença de idade, você inclusive escreveu isso em uma canção, pesa? Em algum momento te fez pensar?
No principio, era no que mais pensava. ‘Como vou fazer? ele tem 23 anos’ (risos), mas me convenci que ele era o homem para mim, e que homem..

A rotina é algo perigoso para todos quando estamos falando de uma relação sentimental. Como vocês fazem para manter esta chama vida?
Nós tentamos separar tempo para nós dois. É difícil com as crianças e o trabalho, mas tentamos. Não apenas a quantidade do tempo mas termos tempo a sós, de qualidade, como casal.

Vocês pensam em ter mais filhos?
Estou pensando, sabe? Porque também quero dar tempo de qualidade a Milan e Sasha, quero sair em turnê, quero fazer mais música, mas também gostaria de ter uma filha… Não sei, vamos ver. Ele quer mais e eu também, mas temos que ver se há a oportunidade com tantas coisas.

Como são Milan e Sasha?
Milan é apaixonado por futebol, os dois gostam muito de esporte. Já Sasha gosta muito de música, mas é muito cedo para saber se vão cantar, se vão se interessar por ciência, direito ou qualquer outra profissão. O importante é que tenham paixão pelo que fizerem, que sigam aquilo na vida e o façam com vontade e com alegria, isso é o mais importante. Ah, e que estejam bem também, por que vida só temos uma.

E de onde nasceu este seu desejo de ajudar?
Bom, eu nasci e cresci em um país de conflito e onde havia milhares de crianças que não tinham acesso a uma educação de qualidade, cujas necessidades básicas não estavam sendo atendidas e esta sempre foi uma realidade a que sempre fui intolerante, então quando tive meu primeiro sucesso, aos 18 anos, decidi criar uma fundação e começar a trabalhar com a infância e depois de investigar muito, entendi que a educação é realmente a estratégia eficaz para conseguir erradicar a pobreza, para poder dar uma saída a todas estas crianças e familias que estão presas no ciclo da pobreza. Esta tem sido uma das grandes experiências da minha vida, e uma das mais divertidas também, porque não há nada mais satisfatório do que trabalhar em educação e ver que não apenas as vidas das crianças se transformam, mas também as de suas famílias e de comunidades inteiras.

Você é finalista em nove categorias para os prêmios Billboard. o que isso significa para você?
É um feito incrível. Estou muito agradecida ao público, porque afinal são as pessoas que me ajudam a conseguir isto. Por isso estou ai, cada vez mais conectada com meu publico, com minha música, com muita vontade de sair em turnê também.