De Estoy Aquí a Despacito: Brasil abre as portas para a música feita em espanhol

Da Redação – Hoje (04) ao abrir a lista que enumera as canções com melhor desempenho nas plataformas digitais no país, logo no topo aparece uma canção…(¡pasmem!)…em espanhol. Des-pa-ci-to! Pouco a pouco, assim, devagar, devagarzinho a música com um acento latino tem ganhado espaço no mercado brasileiro. Apesar da forte resistência, o país tem aberto as portas para a produção fonográfica em espanhol e já esboça uma mudança de comportamento. Mas ainda há um longo caminho a ser percorrido para popularizar de vez a música latina em terras tupiniquins.

O Brasil é hoje o 10º maior mercado de música do mundo, segundo a Federação Internacional da Industria Fonográfica (IFPI). Só em 2015 o pais registrou uma receita superior a meio bilhão de dólares com vendas e execuções de discos e singles, em formato físico e digital, de acordo com a Associação Brasileira de Produtores de Discos (ABPD) – os dados de 2016 ainda não estão disponíveis. Isso representa mais de 3% de todo o faturamento mundial da indústria da música no mesmo período. E a tendencia é que esses números continuem a crescer nos próximos anos, impulsionados pelo sucesso das plataformas de streaming. Não é de se espantar então, que artistas latinos enxerguem o Brasil como a galinha dos ovos de ouro. Mas o idioma ainda parece ser uma grande barreira. Tradicionalmente, quando pensamos em música internacional em larga escala no Brasil, estamos falando dos grandes hits em inglês.

Shakira, um case de sucesso
Na contra-mão dessa tendência, a cantora colombiana Shakira desafiou os prognósticos e ainda na década de 90, fez o pop-rock em espanhol soar forte no Brasil e viu seu álbum internacional de estreia, o Pies Descalzos, vender cerca de 1 milhão de copias por aqui. Para pavimentar terreno em solo brasileiro, a artista aprendeu a falar português, gravou algumas versões de suas músicas em nosso idioma e virou figurinha carimbada em diversos programas de TV da época.

“Poderia dizer que o Brasil foi determinante na minha história musical. E sim, eu adoro o idioma, eu adoro a cultura e , cada vez que eu volto,eu me sinto como se estivesse em casa (…). Eu adoro o português, é a minha segunda língua, eu aprendi o português quando eu tinha 18 anos, em um mês, super rápido, fazendo turnês aqui no Brasil”, disse a estrela ao Jornal Hoje, da TV Globo.

De lá pra cá, Shakira continuou tendo êxito em distribuir suas produções em espanhol no país, gravou com Ivete Sangalo em português, e teve muitas de suas canções em trilhas sonoras de telenovelas de sucesso. Artistas como Ricky Martin e Enrique Iglesias experimentaram êxito semelhante.

Novos Tempos para Música Latina no Brasil
A era digital acendeu a fagulha que faltava para que mais artistas hispânicos seguissem os passos de Shakira e começassem a criar público no território brasileiro. Cantores como J Balvin, Maluma e Zion y Lennox lançaram recentes parcerias com Anitta e Ludmilla. Maluma, inclusive, se apresentou com a popstar brasileira Anitta no Rio de Janeiro e São Paulo e cantou seus principais sucessos.

“Percebi que tenho muitos fãs aqui no Brasil, coisa que eu não sabia. E isso agradeço a Anitta, que deu a oportunidade para que as pessoas daqui me conhecessem. Por isso sempre agradeço a ela, mas também ao público por escutar minha música. Estou apenas começando aqui no Brasil, mas me sinto muito feliz e muito agradecido. Acredito que foi um começo muito especial, um começo com o pé direito”, disse o cantor em coletiva de imprensa.

As gravadoras, de olho no potencial do mercado brasileiro, têm passado a investir na divulgação do seu portfólio de artistas latinos. A Sony Music, por exemplo, criou o projeto “Embaixadores Latinos“, do qual o Shakira Brasil orgulhosamente faz parte, com o objetivo de somar esforços para aumentar a visibilidade da música latina no Brasil. Hoje, já é possível que canções como Chantaje e Despacito ocupem as primeiras posições nos rankings de downloads no país e soem forte nas principais rádios. E o futuro parece dar mostras de que ainda teremos muito tempero latino nas nossas playlists.