Editorial: Porque muito antes de Despacito, havia La Tortura

Ninguém tem a menor dúvida que o sucesso meteórico de Despacito rompeu barreiras, até então, intransponíveis. A coroação de uma trajetória de êxito veio na madrugada de ontem (16), quando o smash hit de Luis Fonsi abocanhou as quatro categorias do Grammy Latino em que estava concorrendo, inclusive os dois maiores prêmios da noite: Canção e Gravação do Ano. A fórmula do sucesso? Uma mescla pegajosa de reggaeton com instrumentos do pop tradicional, acrescida de uma letra envolvente e menos polêmica. O processo de ‘gourmetização’ dos ritmos urbanos do Caribe levou a uma aceitação explosiva da faixa e os executivos da Universal Music trataram logo de globalizá-la, incluindo a voz e o estilo de Justin Bieber à canção. O resultado se traduziu nesse fenômeno chamado Despacito.

Desde então, diversos artistas seguiram a mesma fórmula, remixando suas faixas urbanas com alguma estrela do mercado anglo, universalizando um estilo que durante muito tempo viveu às margens do mainstream. Há quem diga, que Luis Fonsi abriu as portas do gênero urbano para o mundo. Mas, ainda que pese todo o estrondoso sucesso de seu hit, muito antes de existir Despacito, o mundo já havia conhecido La Tortura.

Era o ano de 2005. Shakira apresentava para o mundo o cartão-postal de seu álbum em espanhol Fijación Oral Vol. 1, o single La Tortura, uma parceria com Alejandro Sanz. A música era uma mistura do pop latino tradicional com influências diretas do reggaeton. Naquela época, era um ritmo que pouquíssima gente havia ouvido falar e ficava restrito às suas regiões de origem, como Panamá e Porto Rico e estigmatizado com o hit La Gasolina, de Daddy Yankee. Shakira, como de costume, rompeu barreiras e lançou tendência ao levar o som do dembow às rádios populares do mundo todo. O sucesso foi meteórico. A canção figura na lista das 20 mais vendidas do mundo todo na década de seu lançamento, sendo a única em espanhol. La Tortura ficou por 25 semanas no topo da Hot Latin Songs da Billboard, a parada de singles latinos mais importante dos EUA, batendo na época o recorde do chart. A faixa figurou no top 10 dos mais diferentes mercados mundo a fora, como Itália, França, Dinamarca, Áustria e Venezuela. Foi a primeira canção totalmente em espanhol a ser indicada e performada no Video Music Awards (VMA) da MTV Americana, um feito incrível na época.

Despacito experimentou um nível de sucesso gigantesco e chamou a atenção do mundo para a produção de música latina atual, mas foi La Tortura que, há 12 anos atrás, navegou por águas desconhecidas e colocou a música urbana da América Latina em evidência para o mundo. O pioneirismo de Shakira abriu portas e até hoje é ela a referência da música latina para o mundo.