De Olho na Tour: O longo caminho até trazer Shakira ao Brasil

Olá queridos leitores. Ontem (30) entramos em estado de êxtase, quando o colunista Lauro Jardim publicou no jornal O Globo a informação de que nossa estrela colombiana Shakira vai fazer 3 shows aqui no Brasil no próximo ano. Segundo o colunista, o martelo já estaria batido para Rio de Janeiro e São Paulo e outra capital ainda está em fase de definição. Previstos para março, os shows da El Dorado World Tour no país vão colocar fim a um jejum de quase sete anos sem um show da cantora no Brasil. Ainda faltam mais de sete meses até que a artista se apresente por aqui, mas para tornar possível uma turnê de Shakira em solo nacional um longo caminho precisa ser percorrido por quem é responsável por viabilizar essa empreitada.

Tudo começa quando Shakira anuncia nos bastidores que pretende realizar uma turnê mundial. Um negociante brasileiro então entra em contato com a equipe da cantora e marca uma primeira reunião, que pode ser ao vivo ou virtual (conferência). Nessa primeira reunião o negociante brasileiro faz a bida, termo específico do segmento, que significa dar um lance ou fazer uma oferta. Com o “lance” em mãos, o agente internacional da artista entra em contato com outras produtoras do país e informa que recebeu uma oferta, esperando novas propostas, o que seria uma espécie de leilão. O agente apresenta as propostas recebidas pela concorrência, solicita os custos da negociação e é informado sobre o valor necessário para cobrir os custos e começar a ter lucros, o que em linguagem técnica eles chamam de break even. Os dados são repassados à Shakira e o empresário ou agente manda fechar o negócio. Com o negócio fechado começam a se acertar algumas especificidades que precisam estar em contrato, como cidades a serem percorridas, tipo de palco e atendimento à imprensa, por exemplo. Com tudo resolvido, por fim se anunciam os shows. Todo esse processo de negociação geralmente dura de três a quatro meses.

Quanto custa um show da Shakira
E viabilizar um show de uma artista do porte da Shakira não é uma tarefa simples. Há uma série de custos envolvidos. O primeiro deles é o cachê da cantora. De acordo com o site Priceonomics, a estrela colombiana cobra cerca de U$500 mil por apresentação (os dados são de 2014). Vale ressaltar que artistas do porte da Shakira não têm cachê fixo e sim valor mínimo. Segundo a extinta GEO Eventos para a Folha de São Paulo, o cachê do artista corresponde a 35% do gasto total para a realização do show. Há ainda os impostos que precisam entrar na conta, como ISS, Cofins, Ecad e Ordem dos Músicos, que juntos chegam a somar 30% do custo total do evento. O aluguel da arena geralmente fica na casa dos 20% do valor total gasto para realizar o evento e 15% são custos extras. Assim, cada show da artista no país não sai por menos de U$1,4 milhão. O lucro para as produtoras vem dos patrocinadores, que cobrem boa parte dos custos e da taxa de conveniência, cobrada sobre o valor de cada ingresso. Todos esses fatores, obviamente, interferem no valor final do tíquete. As produtoras alegam que o alto valor dos impostos, o grande número de carteirinhas de estudante falsas, variação cambial do dólar e o leilão com as outras produtoras são os principais responsáveis pelos altos preços dos ingressos de artistas internacionais. E aí, preparados para quebrar os cofrinhos?