Shakira aparece sexy e falando sobre erotismo

Shakira apareceu sexy na sua última entrevista, concedida ao portal de entrevistas argentino Clarín, mas parece que não só o ensaio foi sensual, mas o tema da entrevista foi bem apimentado:

“O gravador já está ligado, Shakira tá que tá com seu celular. Vestida para uma sessão de fotos que acabou de terminar, não está muito vestida: Cabelos lisos, saltos altíssimos, maquiagem bem leve e usando apenas lingerie preta. O tempo passou e ela até pediu ao seu assistente um tempo extra aos 20 minutos de entrevista, como uma prorrogação do futebol.

De repente a cantora se vira para uma outra assistente e diz: Você pode dizer a Gérard que eu vou ficar sem bateria e ainda tenho 14 entrevistas para dar? (Risos) Diga-o que ele vai dormir sem o meu “boa noite”. Esse foi o recado da estrela colombiana para seu parceiro, Gérard Piqué, jogador do Barcelona.

Antes de partir para a parte mais picante da conversa, Shak falou um pouco sobre a lenda do “El Dorado” que da nome a seu novo disco.

A história é que havia um tesouro perdido, que tinha sido imerso na lagoa Guatavita, em Cundinamarca, Colômbia. Durante a época da conquista, os espanhóis o perseguiram então este local tornou-se, para muitos, um lugar sagrado. E para os outros, em um estado mental e espiritual ideal. E é o lugar dentro de mim mesma onde eu encontro as músicas. Um lugar que, por vezes me põe em dúvida quando eu tenho que avançar em um projeto e pensar e dar mil voltas .

E quantas voltas você deu até este álbum?

Antes deste disco, por algumas semanas, entrei numa espécie de medo do palco. E o conflito era por causa da escolha ou a dualidade entre ser mãe e criadora. Sabendo que meus filhos precisam de atenção e que a artista também estava chorando desesperadamente por dedicação. Assim, inicialmente com muita resistência dentro de mim, eu pensei que não ia ser capaz de criar novamente. No entanto, com o apoio da minha família consegui encontrar El Dorado, confirmar que ele não tinha ido a lugar algum, mas que ele estava sempre ali.

O álbum parece mais uma miscelânea de singles com diferentes motivos e sonoridades do que um conceito.

É exatamente o que é. Eu nunca quis fazer álbuns que procuram uma unidade sonora, eu nunca fui assim. Sempre que eu entro em um estúdio de gravação eu me permito ir em qualquer direção. Mas desta vez eu experimentei esta liberdade mais do que nunca, quando eu percebi que eu não tinha que ir trabalhar em um álbum, um corpo de canções. Isso mudou meu chip. Parte do pânico era por me imaginar trancada em um estúdio, cercado por máquinas, instrumentos musicais pelos próximos 15 meses. Isso me oprimia.

Como você pode destravar esta situação?

Depois de lançar La Bicicleta. Quando saiu esta música com Carlos Vives, senti novamente a música adrenalina para compartilhar com o público. Era paradoxal: era esperado que eu teria que começar a fazer música, mas eu ficaria longe do prazer de criar e do imediatismo de compartilhar. E quando eu percebi que eu poderia ficar longe desta metodologia, senti uma liberdade. Todas aquelas coisas que ele tinha a dizer, se libertaram como uma represa. Deixei sair. Quando eu disse que eu não queria fazer um álbum, foi quando eu fiz. Poder fazer uma ligação e dizer: “Você sabe que eu tenho 13 músicas?“.

Como o melhor fica sempre para o final, o Clarín deixou as perguntas mais picantes para o fim da entrevista.

Me experimenta, coloca nutella. Essa frase do Maluma pra você seria.

Essa canção é a que eu mais manipulei, tirei e coloquei. O conteúdo é tão erótico que em um momento senti que era excessiva e que me dava vergonha mostrá-la.

E olha que você já fez canções sugestivas.

Mas essa está no terreno do erotismo. E literalmente eu tinha pudor de mostrá-la, primeiro pra minha equipe. Eu fiz um grande discurso antes, quase que os pedi desculpas: “Bem, vamos escutar algo que…”. E aí se foram os restos da menina de colégio católico que ainda restavam em mim. É uma de minhas canções preferidas do álbum. Me enlouquece. Quando a escutamos finalizada eu disse ao Maluma: “Olha, me parece que passamos do limites”. E ele: Nãããão Shaki, é muito boa, é bacaníssima (risos). E eu: Não Juan, passamos dos limites, eu não posso por isso. É uma das mais modernas do disco. Sonoramente me parece uma viagem.

A ideia de que você esteja flertando com um gênero tão moderno como o trap é um caminho a percorrer para chegar até divas como Beyoncé ou Rihanna?

Não, eu não posso focar no que os outros estão fazendo, porque eu não sou eles. Há um oceano entre eles e eu. Porque eu não me sinto assim. Porque eu tenho uma sensibilidade muito específica e eu não posso reproduzir os sons que os outros fazem. Se eu tentar, seria notado. E perderia. Eu ganho mais quando eu sego o meu próprio caminho. Quando eu sou obediente às minhas origens e meu instinto, com meus próprios desejos.

Algo muito seu, por exemplo, é o exagero. Em “Toneladas” você fala de ser muito feliz com “toneladas massivas de amor”.

Posso usar hipérboles. Eu sou exagerada da cabeça aos pés, eu não tenho escolha.

Foi difícil convencer Piqué a participar do clipe de “Me Enamoré”? Em um disco com tantos convidados…

Ele é o convidado mais especial! Olha, não custou nada. Uma vez ela me disse que para o que eu precisasse, ele estaria lá. Que foi mais trabalhoso foi encontrar uma maneira dele estar lá e que fosse o mais elegante e intrigante possível. E que também preservássemos nosso relacionamento. Embora ele aparecesse, tinha de ser interativo. Algumas situações são verdadeiras, como a luta de comida (risos). Eu percebi que era melhor que ele aparecesse em partes: uma orelha, uma mão, um pé. Até o final. É uma música dedicada a ele: ele não poderia fazer com um modelo da Guess.