El Dorado: Veja como foram as primeiras críticas ao novo álbum de Shakira

O décimo promeiro álbum de inéditas de Shakira, com mais de quatro bilhões de streamings combinados, é sem dúvidas, um dos álbuns latinos mais bem sucedidos na era digital. Estampado nos charts de inúmeros países ao redor do globo, o trabalho não chamou só a atenção do público, como também da crítica especializada.

Reunimos neste post as opiniões expressadas por determinados alguns veículos dos mais importantes veículos comunicação.

Rolling Stone:

Os melhores momentos de Shakira vieram quando ela tem permissão para lançar convenções pop do momento e ser ela mesma, e seu 11º álbum, que divide a diferença entre canções em espanhol e inglês, está cheio de músicas que a deixam brilhar.

A música inicial do álbum “Me Enamoré” revela-se em sentimentos de primeiro-amor. Em cartões postais para selecionar os fãs em torno do mundo para revelar sobre o seu single, ela escreveu: “Esta canção narra um momento na minha vida quando eu estava tão apaixonada que eu estava literalmente escalando árvores“.

Amarillo” é uma balada descontraída destacada pela sua aveludada riqueza de voz.

Perro Fiel“, seu dueto com o gigante do reggaeton Nicky Jam, é suavemente sexy, com seu ritmo pulsante adicionando calor a canção. Enquanto os convidados – Incluindo a estrela da bachata Prince Royce e o rapper francês Black M – abundam o El Dorado, Shakira é uma forte, mas sensual presença, no seu centro.

The National:

Classificação: 3.5/5.

Quando Shakira lançou o single “La Bicicleta” no verão passado, um elegante dueto com seu popular compatriota Carlos Vives, ofereceu uma grande pista sobre o próximo LP. Essa música é “uma homenagem à Colômbia“, disse a cantora e, um ano depois, seu 11º álbum continua o tema. “El Dorado” é a invocação mais orgulhosa de Shakira de suas raízes amazônicas.

O título refere-se à “cidade dourada” perdida da Colômbia, e uma misteriosa estratégia de marketing precedeu este recorde: os fãs tornaram-se conquistadores digitais, procurando por tesouros relacionados a trilhas. Essa conversa sobre as eras de ouro agora se sente tentativamente apropriada, já que a Colômbia iniciou um processo de cicatrização no ano passado após décadas de lutas internas desastrosas.

Shakira merece homenagem calorosa, tendo sido o embaixador cultural mais reconhecido da Colômbia. Este ano marca o 15º aniversário do álbum inovador, “Laundry Service“, que a lançou além da América Latina. Esse disco atraiu a crítica para a casa por suas letras inglesas, mas esse lançamento – muito dele cantado em espanhol – visa em grande parte o público latino.

Na verdade, “El Dorado” abre novos caminhos para este ícone global. “La Bicicleta“, que trata de andar de bicicleta em torno de lugares de infância, usa instrumentos locais – e surpreendentemente a primeira vez que Shakira colaborou com outro vocalista colombiano. Ela mostra mais compatriotas aqui: nascido em Medellín, Maluma – “Pretty Boy“, de acordo com Shakira – duetos em duas faixas, mas notadamente na pista de dança eletrônica, “Chantaje“, outro single latino enorme.

Perro Fiel“, acompanhada do cantor de reggaeton com descescendência porto-riquenha, Nicky Jam. O foco hispânico do álbum permite que sua estrela se divirta um pouco, em vez de seguir as tendências do gráfico norte-americano.

Amarillo” poderia ser uma versão espanhola de “Papa Don’t Preach“, da Madonna, antes de um refrão de europop entrar. A balada de piano de fechamento, “Toneladas“, é lindamente discreta e, embora “Coconut Tree” seja cantado em Inglês, canaliza os synthpoppers australianos Empire Of The Sun e é admiravelmente peculiar. “Faça como costumava ser, me dê uma máquina do tempo“, ela canta, desejando um “El Dorado” pessoal.

Em outros lugares, há cortes no clube para se adequar à maioria dos alto-falantes: a fabulosa “When A Woman” é o fogo de “She Wolf“. “Me Enamoré” é um relator de pista de dança em qualquer idioma, enquanto o “Comme Moi” vem em duas versões: inglês, com a banda canadense de reggae Magic!, e a original com o rapper francês Black M.

Seja qual for o idioma, seus hits não mentem.

 Knoxville News Sentinel:

Classificação: 3.5/5.

Alguns lançamentos são álbuns de declaração, alguns são apenas coleções de músicas. O “El Dorado” de Shakira é, uma sólida mistura de faixas modernas e clássicas, principalmente em espanhol, mas com algum inglês incluído, de uma talentosa veterana da música que não tem nada mais para provar. Naturalmente, a voz distintiva da cantora colombiana, implantada com habilidade aparentemente sem esforço, é a arma não tão secreta, e ela é apoiada por arranjos nítidos que refletem sua herança, bem como o estado atual da música pop. “El Dorado” começa com “Me Enamoré“, já é um sucesso no gráfico latino da Billboard, já que Shakira canaliza seu romance da vida real com a estrela espanhola de futebol Gerard Piqué em um contexto brincalhão pop infundido com eletrônica. No início, ela se entrega à fantasia no dueto “Chantaje“, que também já é um sucesso no gráfico latino da Billboard, enquanto a cantora de 40 anos joga ao vocalista colombiano Maluma, de 23 anos de idade, um sensual “lindo garoto” para ele em um redemoinho de moda reggaeton.

Os dois se encontram mais tarde em um segundo dueto, “Trap“, que é alternadamente hipnótico e sem intercorrências e abruptamente desaparece. Mas Prince Royce é um ajuste perfeito para ela no prazer de percussão com sabor de salsa em “Deja Vu“. Outros parceiros de canto em “El Dorado” também não combinam com Shakira: Nicky Jam é muito estridente por seu tom suave em “Perro Fiel“, e Carlos Vives não é tão habilidoso quanto ela em “La Bicicleta“. Mais duas versões de “Comme Moi” – em francês com Black M e inglês com Magic! – ambos atacam.

O melhor parceiro de Shakira aqui é seu colaborador de longa data, Luis Fernando Ochoa, que trabalha sua voz apaixonada e trêmula na grande balada de poder “Nada” e constrói um coro de hino da Disney para a vibrante “Amarillo“. Em última análise, “El Dorado“, que também é destacado pela escapatória romântica de “Coconut Tree” e a maravilhosa “Toneladas“, baseado em piano, é dominado por músicas agradáveis ​​que se envolvem completamente no momento, ainda são facilmente esquecidas, uma vez que terminam.

 All Music:

Classificação: 4.5/5.

Shakira costumava unir seus álbuns com um grande conceito, mas essa inclinação desapareceu no novo milênio. Talvez seja um sinal dos tempos, talvez seja um sinal de ambição artística diminuída, mas ela simplificou seus álbuns para que eles sejam magros, apertados e bilíngues. “El Dorado“, que chega três anos depois de um bicho de insígnias de idiota, como se existisse em uma escala muito menor do que qualquer um de seus álbuns anteriores, com a possível exceção de “Sale El Sol“. Como esse álbum, “El Dorado” navega rapidamente, mas esta gravação de 2017 apresenta muitos modos diferentes em seus 45 minutos. Shakira expõe celebridades americanas como Blake Shelton e Rihanna – os grandes camuflados de seu álbum auto-intitulado – em favor de estrelas musicais internacionais, encontrando lugares para Nicky Jam, Black M, Carlos Vives, Prince Royce e duas faixas com Maluma. Este movimento sozinho sugere como “El Dorado” está ancorado em músicas em língua espanhola: apenas três das 13 faixas do álbum são cantadas em inglês, todos os três pop adultos lustrosos. Uma dessas músicas – “What We Said” – está presente em ambas as línguas, ilustrando como as faixas espanholas não são necessariamente mais vivas mesmo que todos os cortes dançáveis ​​sejam em espanhol. Ao longo de “El Dorado“, Shakira desloca-se maliciosamente entre esses ritmos eletrônicos percolados, baladas velhas e pop art contemporâneo vidente. O único fato que está ausente de seu saco de truques é um pouco de arena rock, mas não é perdida porque “El Dorado” se sente coerente e maduro em seu discreto – mas não chato – controle de humor.

AXS:

Classificação: 3.5/5

A cantora e compositora colombiana Shakira está lançando o seu mais recente álbum “El Dorado“. Em sua maior parte, ela persegue as tendências da música latina do momento ao retornar às raízes do rock no LP de 13 pistas. Os fãs que aguardam um acompanhamento adequado do recorde de auto-titulação de 2014 ficarão um pouco desapontados com o número de colaborações reciclado em “El Dorado“, mas é o novo material onde Shakira brilha.

Shakira anunciou o álbum “El Dorado” e a metade inferior da tracklist é preenchida com colaborações previamente divulgadas com Carlos Vives (“La Bicicleta“), Prince Royce (“Deja Vu“) e Black M (“Comme Moi“) . Todas essas são boas músicas por direito próprio, mas eles se sentem como preenchimento e apenas aumentam as suspeitas de que isso pode ter sido uma versão apressada. Por outro lado, as outras ofertas de Shakira são bastante fortes e não devem ser descontadas pelo acidente.

Com as colaborações do reggaeton, Shakira obteve o melhor do jogo para o seu álbum. Ela se conecta com o colega colombiano Maluma no single “Chantaje” e os dois vão para outra rodada na balada da música “Trap“. Seu melhor time em equipe é com Nicky Jam, um veterano do reggaeton, enquanto eles lutam os sentimentos sobre “Perro Fiel“. A tensão sexual possivelmente sinalizando algo mais acende suas emoções sobre este majestoso destaque.

Shakira se reúne com o homem que a colocou no mapa, co-roteirista e produtor Luis Fernando Ochoa. Os dois golpeiam o ouro em “Nada“, uma balada de poder onde ela redescobre sua garota de rock interior. Shakira traduz sua dor de cabeça do bebê para um desempenho crescente. Ochoa também é responsável pelos momentos serenos do álbum como a atraente “Amarillo” e “Toneladas“. Essas músicas discretas destacam suas letras poéticas.

Existem algumas canções em língua inglesa e Shakira mais uma vez trabalha com os melhores talentos. Ela co-escreveu “When A Woman” com os criminosos Julia Michaels, Justin Tranter e o produtor Cashmere Cat. Synths bate atrás dela detalhando um romance que dói muito bem. “Somente uma mulher pode amar de verdade“, ela canta. Shakira coloca a pista de dança hipnótica. Mais tarde, ela acéfala a alegria de guitarra em”Coconut Tree“. Sua MAGIC!, A colaboração, “What We Said” (uma versão em inglês de “Comme Moi“), se sente repetitiva e teria feito mais sentido três anos atrás no pico da banda “Rude“.

Em vez de um esforço refinado, “El Dorado” é uma mistura de diferentes elementos musicais. Shakira canaliza o passado para antigos fãs e conhece a paisagem atual para novos fãs, enquanto os duetos previamente lançados são estranhamente jogados lá. Não é um álbum de retorno claro, mas “El Dorado” ganha inteligentemente a versatilidade da estrela dourada da música latina.

ABC News:

O primeiro álbum de Shakira, em três anos, encontra a superestrela colombiana com o objetivo principal de atualizar suas raízes pop em língua espanhola e faz isso com uma energia eletro-alimentada efetiva, unindo forças com uma equipe internacional de convidados. Ela soa bem ao lado do colega colombiano, Maluma, tanto em “Chantaje” quanto em “Trap“, mesmo que ela insista em revestir sua voz com eletroefeitos e em “When a Woman” (que conta com Julia Michaels entre seus compositores) parece que ela está apontando para o território de “Sorry” do Justin Bieber.

Há também algumas opções interessantes ao longo do caminho. A seção de verso inicial de “Amarillo” parece evocar lembranças da melodia do verso de “Papa Don’t Preach” de Madonna, mesmo que falando melodicamente, ela se dirige a uma direção mais brilhante e menos séria. Em “Perro Fiel“, ela é acompanhada pelo cantor de reggaeton Nicky Jam com resultados vencedores.

Comme Moi“, sua colaboração com o rapper francês Black M, obtém uma “versão em inglês” com a banda MAGIC! chamada “What We Said“. Claro, considerando que a versão inglesa apenas se relaciona realmente com os convidados, já que a parte de Shakira em ambas as faixas é em inglês. O tom internacional multilíngue para a gravação combina bem com Shakira e, sem dúvida, levará à dominação global de gráficos, pois continua a mostrar-se como uma presença simpática que pode se adaptar a vários cenários diferentes.

É tentador chamar isso de algum tipo de retorno à forma, modernizando os sons que inicialmente a tornaram famosa. Com exceção da colaboração do Prince Royce, “Deja Vu“, e Carlos Vives, “La Bicicleta“, eu diria que essa classificação pode ser um pouco precipitada. Em vez disso, “El Dorado” descobre que Shakira continua a crescer como intérprete, mesmo que ela esteja aderindo às faixas do clube e as baladas de amor. Ela está desenvolvendo uma sutileza casual e casual.

Você pode garantir a sua cópia do novo trabalho de Shakira nas seguintes lojas: iTunesGoogle PlaySaraiva.